Selecione seu local x
Pesquisar meu local atual

Artigos e Receitasver todas as matérias

Encantando o melhor amigo: respeite a natureza do seu cão
em: Nossos Bichos
16/09/2014 08:30
Companheiros de todas as horas, os cães são, indiscutivelmente, parte da sociedade contemporânea e têm papel fundamental em diversas áreas. Mas será que sabemos retribuir todo o bem que trazem às nossas vidas? Para o Encantador de Cães, Cesar Millan, precisamos honrar sua identidade para que possam encontrar sua força de vida plena.

Cães e seres humanos mantêm um relacionamento que perdura por milhares de anos. Descendentes dos lobos, os animais passaram por processo de domesticação, mas nem por isto perderam uma série de características genéticas que muitas vezes não são consideradas por nós.
O resultado do modelo atual de interação é desequilíbrio. Enquanto parte da sociedade ainda promove e permite abandono e crueldade, há muitos cães bem tratados, porém, com problemas comportamentais desencadeados pelo desrespeito às suas necessidades primordiais. E é na busca do equilíbrio nesta relação que o mexicano radicado nos EUA, Cesar Millan, trabalha.
O mais reconhecido especialista em comportamento canino da atualidade, Millan apresenta o programa O Encantador de Cães, que no Brasil é exibido pelo canal de TV por assinatura Animal Planet. Também escreve livros e ministra palestras por vários países, divulgando uma filosofia que tem obtido resultados satisfatórios na recuperação de casos de agressividade, ansiedade, fobias e outros distúrbios emocionais, em grande parte desencadeados, segundo ele, por características da vida moderna dos cães: falta de exercícios e de liderança.
O grande número de problemas psicológicos, que podem evoluir para físicos, é tratado por Millan com métodos geralmente, simples. “Minhas técnicas são baseadas no comportamento da matilha no habitat natural, observando como a mãe ensina aos seus filhotes. Eu reabilito cães e treino pessoas”, esclarece.
O especialista explica que é da natureza dos cães viverem em matilha, com um líder que lhes proporcione estabilidade, proteção e direção. Como, com a domesticação, eles foram tirados de seu habitat, esta necessidade primordial de liderança que eles possuem precisa ser suprida pelos seres humanos. Mas isso, claro, não deve jamais ser imposto com violência física ou gritos. “Devemos nos mostrar líderes mantendo energia calma e firme, além de provê-los de exercício, disciplina e afeto”, sinaliza

Hora do passeio
Um do pilares do método é o exercício. “Pássaros voam, peixes nadam e os cães andam! Na natureza, os cães migram com a matilha para encontrar comida e água. Por isto, passear com o cão é crucial para o bem-estar e equilíbrio”, justifica.
O passeio é também uma das ferramentas que estabelecem a liderança da matilha. “Entendo as dificuldades de manter o hábito com regularidade devido à correria do dia a dia. Contudo, é preciso estar disposto a ajustar seu estilo de vida para que se possa manter um relacionamento saudável e harmonioso com seu amigo”, adverte Millan.
Caso seja impossível fazer uma caminhada externa, o especialista aconselha exercitar o cachorro na esteira, que é também um bom estímulo mental por exigir concentração: “Deve-se encontrar formas de drenar a energia que, acumulada, gera tédio e uma série de distúrbios comportamentais e psicológicos”, acrescenta.
Além de exercício, um cão equilibrado precisa de regras. Em seus livros e nos episódios do programa, o apresentador deixa claro que impor limites não é excluir o animal da companhia da família, proibindo-o de entrar em casa. A convivência é saudável. É preciso, contudo, saber manter postura de líder.
Durante as refeições, por exemplo, não se deve estimular o amigo canino a mendigar, oferecendo pedaços de alimentos dos pratos. “Cães aprendem o tempo todo com associações e informações do mundo ao redor. Se você incentiva um comportamento de pedinte, você quebra as regras e fica difícil manter a confiança, o respeito e a lealdade do seu cão”, alerta.
Mas, como reagir ao “triste” olhar do peludo – alimentado com ração de qualidade – pedindo um “teco” de qualquer guloseima que você coma? Segundo o Encantador de Cães, o erro está na humanização: interpretamos o animal a partir das nossas emoções. As pessoas humanizam os cachorros, continua ele, e não compreendem a sua psicologia como animais descendentes dos lobos. Segundo Cesar, os cães não ficam magoados quando lhes negamos todas as suas vontades, embora a costumeira expressão meiga possa nos fazer pensar que estão tristes.
Em uma bela passagem de seu primeiro livro, Millan reflete: “A maior forma de respeito é permitir que o cão seja ele mesmo, construindo assim a base de uma nova conexão mais próxima com seu cão”.

Vencendo a agressividade
A filosofia e o método do especialista têm permitido salvar muitos cães que, antes agressivos, acabariam sendo sacrificados. “Acredito que, com a liderança correta, é possível reabilitar qualquer cão, inclusive os agressivos”, afirma.
Um dos casos é o da pit bull Rosemary. Treinada para brigar em rinhas ilegais, após perder uma luta foi queimada pelo dono. O trauma fez com que ela perdesse a confiança nas pessoas, óbvio, e tornou-a ainda mais agressiva. Tratada por Millan, a cadela hoje não é mais agressiva e foi adotada por uma família.
As bases da metodologia podem ser aplicadas com outras espécies, como os gatos. Para o apresentador, adotar uma energia calma e firme é sempre fundamental. “Muitos conceitos se aplicam a outras espécies: estado de espírito positivo; recompensar comportamentos desejados, ser paciente e encontrar meios divertidos para ensinar. Isto funciona com todos, inclusive com as pessoas”, garante.

Equilíbrio
O que se deve ter em mente no trato com nossos animais é que, se eles são hoje domesticados, foi por iniciativa do ser humano. Cabe, portanto, à nossa espécie prover boa qualidade de vida e respeitar sua natureza.
“Minha filosofia sempre será baseada na verdadeira natureza de um cão, buscando proporcionar-lhes um ambiente estável para que tenham equilíbrio mental. Os seres humanos podem e vão viver em harmonia com os cães. São pequenos passos e, como costumo dizer, a transformação do mundo começa com a autotransformação. Precisamos olhar para nós mesmos para que esse movimento cresça e inclua todos os animais”, reflete Millan.

Imagem: © Cesar - Fotolia.com  
x

URL



Redes Sociais

Email

x
Seu nome
Seu email
Comentário