Selecione seu local x
Pesquisar meu local atual

Artigos e Receitasver todas as matérias

Energia sustentável por natureza
em: Equipamentos e Utensílios Domésticos
28/03/2014 09:00
 Mais promissora fonte energética alternativa do novo milênio, a energia solar não é poluente, não colabora com o efeito estufa e evita inundação de terras férteis para construção de usinas hidrelétricas. Cada dia mais acessível, é opção interessante também para reduzir a conta de luz.

Conhecida como energia solar fototérmica, a técnica que permite aquecimento de água consiste na captação de energia luminosa por coletores solares para transformação em térmica. Até o uso final, a energia é mantida em reservatórios termicamente isolados.
Em residências, os coletores solares devem ser alocados em telhados inclinados ou sobre estruturas metálicas para atingir o nível de inclinação necessária, exigindo instalações hidráulicas adequadas como tubo de PVC para água fria e de cobre ou CPVC para água quente.

+ Substituir as lâmpadas incandescentes ajuda o seu bolso e o planeta
+ Saiba como evitar os danos de equipamentos elétricos
+ Saiba como descartar corretamente as cápsulas de café

Para melhor performance, o ideal é optar pelo sistema na construção ou reforma e ter cuidado especial no projeto, que deve conciliar as especificações técnicas com a estética.
O investimento, incluindo equipamento e instalação, é de aproximadamente R$1.500,00 para 100 litros de água (a média calculada por pessoa) e pode ser financiado até em dois anos, mas o ganho a médio e longo prazo é alto, pois a economia na conta de luz é de cerca de 40% com aquecimento da água de chuveiros e pias.
A manutenção exige limpeza semestral com água e sabão, nada muito dispendioso, e o equipamento tem durabilidade média de 15 anos.

Água quente também no inverno
O sistema funciona também no inverno. Em regiões muito frias e com geadas ocasionais, é importante ter suporte técnico que garanta a opção correta de materiais, número de placas e especificações de demais componentes, além de instalar uma válvula anticongelante que evitará quebra dos aquecedores e problemas com os canos.
Também é recomendado contar com um sistema paralelo de aquecimento a gás ou elétrico para dias nublados ou chuvosos, quando a temperatura pode não alcançar o limite ideal para banhos (38ªC a 40ªC) ou para desengordurar a louça (50ªC a 60ªC).
Para utilizar a energia solar no aquecimento de piscinas é preciso adquirir placas próprias e uma bomba de circulação ativa. A tecnologia também está disponível para edifícios e outras instalações.
Em franca expansão, o segmento de venda e instalação de aquecedores solares conta com isenção de IPI e ICMS. Para checar a idoneidade da empresa e a excelência dos produtos, procure por empresas que possuem certificação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e selo do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).
É possível também transformar energia solar em elétrica. A tecnologia é conhecida como fotovoltaica e exige um investimento muito alto, pois ainda está em fase de desenvolvimento.

Sustentabilidade
Um dos conceitos mais difundidos atualmente, a sustentabilidade, ou uso racional dos recursos naturais, tem estreita ligação com alternativas como a energia solar, que não é poluente e economiza recursos naturais.
A radiação solar absorvida no planeta é 20 mil vezes maior do que o consumo de energia mundial. No Brasil, país ensolarado, o potencial de aproveitamento é imenso. E os ganhos também. Só em Brasília, a energia incidente em um ano é igual a 162 usinas de Itaipu.
No país, cerca de 6% da energia elétrica consumida é dedicada ao aquecimento de água. Parece pouco. Porém, é o dobro do montante gasto em iluminação pública.
O uso da energia solar, além da economia financeira, já que o sol é uma fonte gratuita, beneficiaria bastante o meio ambiente. Segundo a Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava), se os cerca de 10 milhões de habitantes da cidade de São Paulo, por exemplo, utilizassem aquecimento solar para os banhos, a cidade deixaria de emitir anualmente 496 mil toneladas de CO2.
E em tempos em que o lema é salvar o planeta, começam a surgir políticas públicas que incentivam a opção pela energia. Na cidade de São Paulo, uma lei já sancionada pelo ex-prefeito Gilberto Kassab tornou obrigatória a preparação de novas casas e edifícios para o uso dos aquecedores solares e a instalação dos aquecedores em casas e apartamentos com quatro ou mais banheiros. A lei prevê ainda obrigatoriedade de instalação em novas edificações destinadas a vários tipos de utilização, como hotéis, clubes, clínicas, hospitais, escolas, etc.
Em Santo André, dois projetos de lei relacionados ao tema aguardam votação, visando obrigatoriedade de instalação de aquecedores de água em novas edificações e criação de um programa de incentivos para o uso dos sistemas.

Imagem: © Nabar - Fotolia.com 
x

URL



Redes Sociais

Email

x
Seu nome
Seu email
Comentário